5 tendências de estratégia de nuvem corporativa para 2019

A nuvem operou por muito tempo na junção das tecnologias mais significativas para dominar o cenário de gerenciamento de dados, facilitando tudo, desde implantações de big data a análises preditivas e prescritivas, dos aplicativos de computação cognitiva aos da computação de ponta. O Gartner prevê, entre as estratégia de nuvem, que o mercado global de serviços em nuvem pública excederá US$ 200 bilhões em 2019.

Em meio aos avanços mais diferentes nos depósitos de dados em nuvem, as medidas de segurança, as malhas de dados, a hibridização, os contêineres e muito mais são uma tendência quase imperceptível que florescerá em 2019.

A nuvem não está apenas solidificando a Arquitetura Orientada a Serviços, mas sim reformulando as práticas baseadas em dados em toda uma economia orientada a serviços. Ela está mudando o mercado coletivo de um mercado no qual os fornecedores simplesmente vendem produtos para se tornar um provedor de serviços de pessoas, de aplicativos, de cargas de trabalho, de data centers.

Ao oferecer esses serviços em algumas das facetas mais vitais do espaço de dados, a nuvem anunciará uma economia orientada a serviços no próximo ano. Abaixo relacionamos as principais tendências que norteiam a adesão da nuvem em 2019.

estratégias de nuvem e tendências para 2019

 

  1. Estratégias de nuvem múltiplas ganham força

Quando se trata da nuvem pública, ainda há tabu, no entanto, enquanto a maioria das empresas já fez grandes apostas em softwares alugados, grandes nomes do negócio mundial estão transferindo seus principais aplicativos para a nuvem pública de vários fornecedores.

A diversificação de opções de nuvem é um tema comum e passou a ser uma medida fundamental para quem precisa de uma mudança mais ampla para o desenvolvimento de software ágil e “nativa em nuvem” para obter maior flexibilidade na criação de software no futuro.

Mais e mais empresas estão migrando para a nuvem e a computação em nuvem já se estabeleceu firmemente em muitos lugares. Cada vez mais serviços devem ser adquiridos da nuvem e as empresas já perceberam que faz sentido combinar nuvem privada, pública e data center e adaptá-la às necessidades dos clientes.

  1. Inovação na nuvem

Graças aos containers, Kubernetes, e à computação “serverless”, o modo como os principais aplicativos corporativos são implantados está sendo reformulado. A adoção de contêineres cresceu nos últimos anos à medida que os desenvolvedores corporativos modernizaram a implantação de aplicativos. O Kubernetes, o software que automatiza a implantação, dimensionamento e gerenciamento de contêineres, emergiu como a camada de orquestração de escolha da empresa. Em 2019, o Kubernetes se tornará mais fácil de implantar, dimensionar e proteger, com fornecedores lançando novos recursos para orquestração de políticas de segurança orientada por API.

O modelo emergente de implantação de computação “serverless” também ganhará impulso à medida que mais empresas busquem implementar serviços e aplicativos digitais. Na computação sem servidor, os clientes desenvolvem, executam e gerenciam aplicativos sem criar e manter a infraestrutura para executá-los. Ele fornece uma API para associar a função a um ou mais eventos, como quando um sensor de IoT facilita uma ação. Espera-se que os grandes fornecedores de nuvem aumentem seus portfólios para servidores serverless, também chamados de função como serviço (FaaS).

  1. Renovação da nuvem privada

Três abordagens principais para a nuvem privada se fixarão em 2019, uma considera a nuvem privada como uma plataforma para hospedagem de cargas de trabalho não adequadas para nuvem pública devido a custo, segurança, conformidade, dados, projeto arquitetônico ou outros motivos.

Outra aborda o do-it-yourself (DIY) implica o uso de instalações em hosts com gerenciamentos isolados, desta forma não é necessário a aquisição de licença (mas com recursos são limitados) e da infraestrutura definida por software. A terceira envolve o uso do software de código aberto capaz de gerenciar os componentes de múltiplas infraestruturas virtualizadas, ou seja, envolve fazer com que um fornecedor o crie para sua empresa, usando pilhas de software convergentes ou hiperconvergentes para minimizar seu fardo técnico.

  1. Transição rápida para PaaS

As empresas definirão sua estratégia de plataforma como serviço (PaaS) para equilibrar a experiência em 2019. As empresas vão unir a excelente experiência da criação e implantação de aplicativos, com a experiência aprimorada de governar plataformas operacionais e aplicativos.

Cada organização decidirá se aproveitará a PaaS exclusiva de um provedor de nuvem específico ou se concentrará na neutralidade da nuvem. Alguns continuarão buscando a abstração de qualquer nuvem enquanto esperam que os serviços de valor agregado e neutros de fornecedor, amadureçam e se tornem mais fáceis de operar em qualquer lugar.

  1. Crescimento dos ecossistemas SaaS

Em 2018, os fornecedores de SaaS aumentaram as execuções de integração e a oferta entre os grandes fornecedores do setor. Em 2019, espera-se a geração de ecossistemas industriais baseados em SaaS integrados. Os primeiros exemplos virão de indústrias intensivas em cadeias de suprimentos com uma forte necessidade de compartilhar informações e colaborar entre organizações, como industrial, saúde, manufatura e governo.

Se julgarmos pelas tendências atuais da computação em nuvem, o número de soluções em nuvem nos setores público e privado se expandirá ainda mais em 2019. Esperamos ver mais organizações aproveitando a simplicidade e o alto desempenho que a nuvem garante.

About Megazine

Notícias, cases e conteúdo sobre soluções de negócios
View all posts by Megazine →

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.